Quais as suas expectativas ao viajar?

Compartilhe

Por Larry Mello

Em tempos de tantos acontecimentos, quem é que não fica apreensivo ao sair de casa? Às vezes, nem é preciso passar do portão para acontecer algo. Se for viajar para longe, há sempre a preocupação que algo pode ocorrer no destino. Há também o risco de estar na hora e no local exatos de uma experiência inesperada.

O Blog fez uma breve enquete e descobriu que a metade das pessoas entrevistadas  não fica preocupada com o imponderável. Quando perguntadas se viajar pelo mundo é perigoso, metade respondeu que “nem sempre, depende do lugar”; e metade disse que “não, o perigo está em toda parte”. De acordo com a pesquisa, parece que  preocupação é o inimigo oculto que pode estragar qualquer viagem.  75% acham que sofrer um acidente não é a maior preocupação, mas sim, perder o voo ou as malas.  Fazer um bom seguro de vida também não figura entre os cuidados que o turista deve tomar antes da viagem. O resultado da enquete aponta como o maior cuidado é não esquecer (ou perder) os documentos.

Clique aqui e veja o resultado completo (https://enquete.fbapp.io/view/qQar1ZU7pQYJuPxGG5jbb1Sc)

Mas como podemos evitar dissabores em uma viagem?

Primeiramente, a aparente atmosfera hostil do “mondo cane” não corresponde à realidade. Estatisticamente o número de pousos e decolagens, idas e vindas bem sucedidas, pessoas retornando sãos e salvas, é enormemente maior que os percalços e intercorrências graves com viajantes e turistas. Outro aspecto é o fato de as notícias circularem, hoje em dia, com mais fluidez, devido às novas mídias,  fazendo com que cada fato ocorrido no planeta seja conhecido, o que só faz aumentar a nossa sensação de insegurança.  Ainda assim, isso não quer dizer que o turista pode abrir mão de certos cuidados para garantir uma viagem tranquila e sem perigo. Desses cuidados, podemos destacar desde pesquisar um pouco sobre o local da visitação, quanto ter boas referências da empresa que vai fornecer o serviço de transporte, hospedagem e alimentação.

Mesmo com todo o cuidado, para algumas pessoas, o simples fato de estar fora do seu ambiente, fora do seu habitat, já causa calafrios.  Para elas, tão importante quanto se cercar de itens de segurança é desenvolver o hábito de se deslocar. A coragem de sair do “seu quadrado” nasce da prática de viajar. Primeiro para destinos menos distantes, de onde o retorno seja rápido e seguro; e, depois, gradativamente, para os destinos mais ousados.

 

Cometários